Monday, April 05, 2010

Sem culpas

Recebi um mail de uma amiga que, tal como eu, não tem um trabalho remunerado e está em casa. Ela sente-se culpada, algo que em tempos eu própria já senti e que muitas mulheres que optaram ou foram obrigadas a optar por esta forma de vida também sentem muitas vezes. Mas não há que sentir culpa. Outro dia, a filha desta minha amiga fez uma pergunta que a minha própria filha também já fez, ou melhor, a minha filha não pergunta, afirma logo com muita convicção que gostaria de ser como a mãe. Mas é logo atacada. Mas esta menina perguntou se podia ficar em casa como a mãe e não ter um trabalho fora de casa. E o pai respondeu: «Deus me livre filha! Toda a gente tem que trabalhar.». Também não culpo o pai desta menina por tal comentário porque se há uns anos atrás a norma era as mulheres estarem em casa a cuidar da casa, do marido e dos filhos, agora a norma é outra. E quem não segue a norma é sempre olhado de lado. A minha filha afirma muitas vezes que quer ficar em casa como a mãe e sempre que isso acontece, as pessoas ficam escandalizadas e olham para mim com um olhar recriminador, como que acusando-me de já estar a «impingir» estas ideias à minha filha. Mas se os outros lhe podem «impingir» tantas outras coisas, porque é que eu, como mãe dela, não lhe posso transmitir aquilo em que acredito? No entanto, faça ela o que fizer, o que eu quero mesmo é que ela venha a ser uma mulher segundo o coração de Deus.
Eu tenho as minhas teorias em relação a este assunto, e aqueles que me conhecem melhor também as conhecem, mas hoje não me apetece falar sobre elas. No entanto, aquilo que eu quero hoje frisar é que as mulheres que estão em casa não têm que sentir culpa alguma. Elas trabalham e muito, o seu trabalho é muito importante para a família e para a sociedade em geral e em vez de sentirmos culpas ou de nos tentarmos justificar pelo facto de estarmos em casa, agradeçamos a Deus este privilégio que muitas mulheres também gostariam de ter e não podem e empenhemo-nos na nossa missão com zelo e sobretudo com muito amor.

No comments: