Monday, April 06, 2009

Batem leve, levemente...

Veio-me hoje à memória este belo e conhecido poema de Augusto Gil. Não é adequado à época primaveril que estamos a viver mas isso não importa. Quando era miúda, a minha avó obrigou-me a decorá-lo e tinha de o dizer bem, não apenas despejar o que tinha decorado. Na altura não gostava de o fazer mas a verdade é que nunca mais o esqueci e assim foi crescendo o meu gosto pela poesia. Quanto à pergunta que o poeta deixa no ar, todos a fazemos e nos últimos tempos eu voltei a fazê-la com alguma insistência. Mas depois Deus mostrou-me que há uma razão para tudo, mesmo que não a possamos entender, e que a vontade de Deus é sempre boa, perfeita e agradável.
A NEVE

Batem leve, levemente,
como quem chama por mim...
Será chuva? Será gente?
Gente não é, certamente
e a chuva não bate assim...

É talvez a ventania;
mas há pouco, há poucochinho,
nem uma agulha bulia
na quieta melancolia
dos pinheiros do caminho...

Quem bate, assim, levemente,
com tão estranha leveza,
que mal se ouve, mal se sente?
Não é chuva, nem é gente,
nem é vento, com certeza.

Fui ver. A neve caía
do azul cinzento do céu,
branca e leve, branca e fria...
Há quanto tempo a não via!
E que saudade, Deus meu!

Olho-a através da vidraça.
Pôs tudo da cor do linho.
Passa gente e, quando passa,
os passos imprime e traça
na brancura do caminho...

Fico olhando esses sinais
da pobre gente que avança,
e noto, por entre os mais,
os traços miniaturais
de uns pezitos de criança...

E descalcinhos, doridos...
a neve deixa inda vê-los,
primeiro, bem definidos,
- depois em sulcos compridos,
porque não podia erguê-los!...

Que quem já é pecador
sofra tormentos... enfim!
Mas as crianças, Senhor,
porque lhes dais tanta dor?!...
Porque padecem assim?!

E uma infinita tristeza,
uma funda turbação
entra em mim, fica em mim presa.
Cai neve na natureza...
– e cai no meu coração.


Augusto Gil - Luar de Janeiro, 1909

2 comments:

Raggedy Girl said...

You should add the new Blogger language translator to your blog. I tried it out on another blog and it is amazing.

Have a Wonderful Day
From Roberta Anne --
The Raggedy Girl

Paula Peck said...

Que giro, esse é um dos poemas que eu ouvia o meu pai declamar quando eu era miúda. Coincidência engraçada, não é?