Wednesday, May 05, 2010

Gostaria de partilhar aqui dois textos sobre aquilo que Deus tem falado à minha vida nas últimas semanas. Também ontem, no grupo de crescimento, o nosso Pastor Tito falou de prioridades e explicou-nos de uma forma interessantíssima como Deus não é mais uma das nossas prioridades (normalmente, e às vezes com muita falta de sinceridade e apenas porque queremos parecer muito espirituais, referimo-lo como a nossa primeira prioridade) mas habita em nós, o que graficamente poderíamos representar como estando no centro. E depois, todas as áreas da nossa vida, ou seja, todas as prioridades, deveriam reflectir Deus que está em nós. No meu caso pessoal, e embora nunca tenha conseguido visualizar isto da forma como o nosso Pastor o fez, sei que Deus está em mim e «levo-O comigo» para todo o lado. Já percebo o que é orar sem cessar, o que significa pedir direcção de Deus em cada momento da minha vida, por mais insignificante que pareça. Mas não tenho sabido gerir ou equilibrar (não sei qual será o termo mais adequado) as prioridades da minha vida. Penso que já as defini embora de vez em quando tenha umas dúvidas mas, por fases, dedico todo o meu tempo e atenção apenas a uma descurando as outras. Outras vezes, dedico tempo a coisas que eu sei claramente que não são prioridade na minha vida. Certamente esta não é uma dificuldade só minha, por isso, se quiserem falar da vossa experiência, enriquecendo a minha vida, eu agradeço. E peço a Deus sabedoria. «Se, porém, algum de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá deliberadamente e nada lhes impropera; e ser-lhe-á concedida» (Tiago 1:5)
«Telemóveis, computadores portáteis e agendas electrónicas podem tornar-se os nossos opressores. Precisamos de parar e perguntar a nós próprios: «Deus pode interromper-me? Pode interromper-me na eminência de uma catástrofe?» Algumas das suas experiências com Deus acontecerão quando você estiver preocupado com outra coisa qualquer. Então ore para que possa ser suficientemente sensível para compreender que é Deus, e Lhe responder, em vez de responder às pressões à sua volta. Se decidir seguir a sua agenda em vez de seguir a agenda de Deus, não se admire quando bater contra uma parede de tijolo e acabar a perguntar-se: «O que correu mal?» A resposta é: você não tirou tempo para Deus.
Repare em Maria e Marta quando Jesus visitou a casa delas em Betânia. Marta estava concentrada em cozinhar o jantar para Ele, Maria absorvia cada palavra que Ele dizia. Ambas as coisas são necessárias, mas, se forçado a escolher entre as duas, o Senhor irá sempre escolher aquele que se senta aos Seus pés em adoração e aprende com Ele(parte de um texto do devocional A Palavra para hoje, da UCB Portugal)


«Ela estava ocupada com o ministério de mulheres na igreja. Corria entre uma reunião e outra e ao fim do dia ainda tinha de fazer uma passagem rápida e obrigatória pelo supermercado, para preparar alguma coisa para as pessoas que recebia todos os meses em sua casa para o estudo bíblico. Tinha ainda de levar o filho ao futebol e a filha às aulas de ballet. Mais uma vez, esquecera-se de fazer o jantar e em breve o marido estaria a chegar a casa. Já para não falar da pilha de roupa que se estava a acumular e em que ela ainda não tinha tido tempo de tocar. Estava cansada e esgotada.

Apesar de todas estas actividades, aparentemente boas, sentia-se angustiada. Há meses que não lia uma história aos filhos e ontem tinha gritado com o marido porque se sentia sobrecarregada com todo o trabalho que tinha para fazer em casa desde que decidira deixar de trabalhar fora de casa. Desanimada, atirou-se para uma cadeira e olhou para o cesto da costura, cheio de coisas por terminar. E pensou quando iria voltar a ter tempo para concluir um destes projectos. Sabia que faltava qualquer coisa na sua vida. Mas não tinha ela a vida com que sempre sonhara? Não tinha ela assumido todos estes compromissos com o desejo de servir a Deus?


As mulheres foram criadas para serem ajudadoras. Faz parte da nossa natureza intrínseca estarmos disponíveis para qualquer necessidade que surja. Mas muitas vezes não pedimos direcção a Deus e assumimos vários compromissos assim que isso nos é pedido. Esquecemo-nos de pedir conselhos sábios ou de perguntar aos nossos maridos o que eles pensam sobre o assunto. Rapidamente nos vemos com horários sobrecarregados que, embora estejam preenchidos com actividades bem intencionadas, não eram para nós e nos distraem das nossas principais responsabilidades – tempo com Deus, com o nosso marido e com os nossos filhos.

Os nossos dias podem ser preenchidos com muitas tentações, afastando a nossa alma, a nossa mente e o nosso coração do melhor de Deus para nós. Acredito que muitas de nós escolhemos, inconscientemente, vidas muito preenchidas, pensando erradamente que essa é a norma. Mas aquilo de que nós precisamos é de viver de uma forma mais simples. A simplicidade ajuda a restaurar a paz e a ordem.

Por vezes precisamos de tirar da nossa vida as coisas desnecessárias. Poderá ter que ser dizer não a actividades fora de casa. Poderá ter que ser deixarmos alguns dos ministérios em que estamos envolvidas. Poderemos ter que colocar de lado alguns dos nossos hobbies de lado para fazermos algum trabalho em casa. Poderá também ter que ser fazer umas férias de Internet, se virmos que ela nos distrai constantemente dos nossos principais deveres.

Se não temos a certeza de que isto está a acontecer connosco, podemos colocar a nós próprias algumas questões: As nossas casas estão em ordem? Estamos a preparar as refeições a horas para os nossos maridos? A formação e a educação das nossas crianças está a ser negligenciada? As roupas estão em ordem? Todas estas coisas são importantes e é necessário tempo para fazê-las. A Bíblia, no capítulo 2 de Tito, exorta-nos a amar os nossos maridos, a amar os nossos filhos, a sermos sensatas, honestas, boas donas de casa, sujeitas ao marido, para que a Palavra de Deus não seja difamada. Quando estamos a fazer estas coisas, estamos a fazer aquilo que Deus nos mandou fazer. Estas coisas não têm de ser perfeitas, nenhuma casa onde vivem pessoas alguma vez o poderá ser, mas temos de tentar fazer o nosso melhor dentro das circunstâncias que temos.

Mãe, volta o teu coração para o teu lar!!! Se estás sempre a pensar em ir às compras ou em andar por aí a passear, a navegar na net, emocionalmente distraída e ausente com aquilo que não é importante, pede a Deus um coração que deseje estar em casa, estando presente, amando e aprendendo fielmente a faze-lo da melhor maneira possível. É bem sabido que a mulher é o coração de um lar, mas se ela nunca lá está, o lar fica vazio. É a mãe que ajuda o seu marido a cumprir a sua visão e que coloca em acção a cultura, conforto, ordem e ambiente de um lar, algo que é impossível fazer quando se está física ou mentalmente ausente. É difícil edificar um verdadeiro lar quando estamos distraídas com outros compromissos, aparentemente bons, mas que podem não ser para nós. Deveremos investir a nossa energia com a nossa família e não dar-lhes apenas as nossas sobras. Que o Senhor nos possa dar a sabedoria para que saibamos perceber aquilo que deve ser eliminado das nossas vidas, ou das vidas dos nossos filhos, para preservar a pureza do nosso precioso tempo em família e para gerirmos bem as nossas casas
(traduzido e adaptado de um texto de June Fuentes do blogue A Wise Woman Builds Her Home)

2 comments:

Gi said...

Muito a propósito do que se tem vindo a passar na minha vida...
Obrigada pela mensagem tão forte e fundamental!

Biju;)

Cintia Abrantes said...

Obrigada amiga!