Thursday, May 13, 2010

Será que a mentira compensa?

Para mim, que sou cristã, colocar um título destes numa mensagem minha é, no mínimo, estranho! Não se assustem, não mudei de ideias. Continuo a ter a certeza, à luz do que diz a Palavra de Deus, que a mentira não compensa. Mas às vezes, o que eu não sei se compensa é dizer a verdade.
Têm-me perguntado com alguma frequência se a minha filha é uma boa aluna. E eu, que quero dizer a verdade, respondo que não. Pois se é verdade, porque hei-de dizer o contrário? A rapariga tem imensas qualidades, não é uma péssima aluna, mas também não é uma boa aluna. Eu diria que é razoável na Língua Portuguesa (só a leitura é excelente) e Estudo do Meio e má aluna na Matemática. Recebo logo a resposta de que seria bem melhor ela estar numa escola. Nao sei se não passe também a sugerir aos que têm filhos na escola, e que também não são bons alunos, que é melhor tê-los em casa. Como eu vejo bons e maus alunos nas duas situações, calculo que a solução para qualquer um deles seja a oposta.

Thursday, May 06, 2010

Será?

Sinto muitas vezes que Deus um dia me vai usar para ensinar e aconselhar as mulheres mais novas. Não agora. É ainda muito cedo para isso. Não sei se isto é de Deus ou não (Sarah, agora lembrei-me do ensino de sexta-feira!) e nem sequer é um desejo do meu coração. É algo que não sei explicar. E quando isto me vem à ideia, penso: «Mas como é que eu, que estou tão, mas tão longe de ser a mulher virtuosa de Provérbios (embore aspire a sê-lo), poderei alguma vez vir a ser usada para semelhante tarefa?» Mas depois também me lembro daquilo que a Bíblia diz: «Irmãos, reparai, pois, na vossa vocação, visto que não foram chamados muitos sábios segundo a carne, nem muitos poderosos, nem muitos de nobre nascimento; pelo contrário, Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes; e Deus escolheu as coisas humildes do mundo, e as desprezadas, e aquelas que não são, para reduzir a nada as que são; a fim de que ninguém se vanglorie na presença de Deus.» (1 Coríntios 1:26-29).
Apeteceu-me partilhar este sentimento mas não é algo que me preocupe. Deus fará o que Ele entender. E o importante agora é concentrar-me em fazer a Sua vontade hoje, no lugar e nas circunstâncias em que hoje em encontro. Quanto ao futuro, como diz o ditado, a Deus pertence.

Wednesday, May 05, 2010

My sister found this at Wikipedia

"José António Freire Sobral (Sobral de Monte Agraço, São Quintino, June 10, 1840 – Lisbon, April 19, 1905), was a rich farmer and a large exporter of coffee, cocoa and woods who made his fortune in São Tomé Island. He was the owner of the Roças Saudade and Santa Maria in the village of Trindade and was a Vocal of the Council of the Province of São Tomé e Príncipe and Regedor of the village of Trindade. He was made Commander of the Order of Agricultural Merit of Portugal.

He was the son of António Freire, an agricultural employee, and wife Joana Maria, both born in Sobral de Monte Agraço, São Quintino, from where he took his surname.

He married Mariana Emília de Sousa, without issue. He had however, before his marriage, eight natural children from three different mothers, and was the Godfather of his grandson José de Almada Negreiros. By Leopoldina Amélia de Azevedo, born in Benguela, he had five children. She lived in São Tomé Island, where she had four of their children. Since he refused to marry her she ran off back to Benguela, where she died of childbirth of her fifth child. She was a natural daughter of Manuel de Azevedo Pereira, born in Santarém, who lived in Benguela, where he had natural daughters by Luzia, an African woman born there. Their oldest natural child was daughter Elvira Freire Sobral (São Tomé Island, Mé-Zóchi District, Trindade, Roça Saudade,[1] – São Tomé Island, December 29, 1896), who was recognized and raised by her father, married in São Tomé Island, Água Grande District, City of São Tomé, at the Parrish of Conceição, on April 30, 1892 António Lobo de Almada Negreiros and died at childbirth of and with her daughter. She studied in Coimbra, at the Colégio das Religiosas Ursulinas, where she won the fame of a skilled drawer.

Her half-brother Joaquim Freire Sobral was also an artist and a painter. They had, beside a daughter, two sons António (b. 1895) and José Sobral de Almada Negreiros."
This man (José António Freire Sobral) was my great-great-grandfather!!!
Gostaria de partilhar aqui dois textos sobre aquilo que Deus tem falado à minha vida nas últimas semanas. Também ontem, no grupo de crescimento, o nosso Pastor Tito falou de prioridades e explicou-nos de uma forma interessantíssima como Deus não é mais uma das nossas prioridades (normalmente, e às vezes com muita falta de sinceridade e apenas porque queremos parecer muito espirituais, referimo-lo como a nossa primeira prioridade) mas habita em nós, o que graficamente poderíamos representar como estando no centro. E depois, todas as áreas da nossa vida, ou seja, todas as prioridades, deveriam reflectir Deus que está em nós. No meu caso pessoal, e embora nunca tenha conseguido visualizar isto da forma como o nosso Pastor o fez, sei que Deus está em mim e «levo-O comigo» para todo o lado. Já percebo o que é orar sem cessar, o que significa pedir direcção de Deus em cada momento da minha vida, por mais insignificante que pareça. Mas não tenho sabido gerir ou equilibrar (não sei qual será o termo mais adequado) as prioridades da minha vida. Penso que já as defini embora de vez em quando tenha umas dúvidas mas, por fases, dedico todo o meu tempo e atenção apenas a uma descurando as outras. Outras vezes, dedico tempo a coisas que eu sei claramente que não são prioridade na minha vida. Certamente esta não é uma dificuldade só minha, por isso, se quiserem falar da vossa experiência, enriquecendo a minha vida, eu agradeço. E peço a Deus sabedoria. «Se, porém, algum de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá deliberadamente e nada lhes impropera; e ser-lhe-á concedida» (Tiago 1:5)
«Telemóveis, computadores portáteis e agendas electrónicas podem tornar-se os nossos opressores. Precisamos de parar e perguntar a nós próprios: «Deus pode interromper-me? Pode interromper-me na eminência de uma catástrofe?» Algumas das suas experiências com Deus acontecerão quando você estiver preocupado com outra coisa qualquer. Então ore para que possa ser suficientemente sensível para compreender que é Deus, e Lhe responder, em vez de responder às pressões à sua volta. Se decidir seguir a sua agenda em vez de seguir a agenda de Deus, não se admire quando bater contra uma parede de tijolo e acabar a perguntar-se: «O que correu mal?» A resposta é: você não tirou tempo para Deus.
Repare em Maria e Marta quando Jesus visitou a casa delas em Betânia. Marta estava concentrada em cozinhar o jantar para Ele, Maria absorvia cada palavra que Ele dizia. Ambas as coisas são necessárias, mas, se forçado a escolher entre as duas, o Senhor irá sempre escolher aquele que se senta aos Seus pés em adoração e aprende com Ele(parte de um texto do devocional A Palavra para hoje, da UCB Portugal)


«Ela estava ocupada com o ministério de mulheres na igreja. Corria entre uma reunião e outra e ao fim do dia ainda tinha de fazer uma passagem rápida e obrigatória pelo supermercado, para preparar alguma coisa para as pessoas que recebia todos os meses em sua casa para o estudo bíblico. Tinha ainda de levar o filho ao futebol e a filha às aulas de ballet. Mais uma vez, esquecera-se de fazer o jantar e em breve o marido estaria a chegar a casa. Já para não falar da pilha de roupa que se estava a acumular e em que ela ainda não tinha tido tempo de tocar. Estava cansada e esgotada.

Apesar de todas estas actividades, aparentemente boas, sentia-se angustiada. Há meses que não lia uma história aos filhos e ontem tinha gritado com o marido porque se sentia sobrecarregada com todo o trabalho que tinha para fazer em casa desde que decidira deixar de trabalhar fora de casa. Desanimada, atirou-se para uma cadeira e olhou para o cesto da costura, cheio de coisas por terminar. E pensou quando iria voltar a ter tempo para concluir um destes projectos. Sabia que faltava qualquer coisa na sua vida. Mas não tinha ela a vida com que sempre sonhara? Não tinha ela assumido todos estes compromissos com o desejo de servir a Deus?


As mulheres foram criadas para serem ajudadoras. Faz parte da nossa natureza intrínseca estarmos disponíveis para qualquer necessidade que surja. Mas muitas vezes não pedimos direcção a Deus e assumimos vários compromissos assim que isso nos é pedido. Esquecemo-nos de pedir conselhos sábios ou de perguntar aos nossos maridos o que eles pensam sobre o assunto. Rapidamente nos vemos com horários sobrecarregados que, embora estejam preenchidos com actividades bem intencionadas, não eram para nós e nos distraem das nossas principais responsabilidades – tempo com Deus, com o nosso marido e com os nossos filhos.

Os nossos dias podem ser preenchidos com muitas tentações, afastando a nossa alma, a nossa mente e o nosso coração do melhor de Deus para nós. Acredito que muitas de nós escolhemos, inconscientemente, vidas muito preenchidas, pensando erradamente que essa é a norma. Mas aquilo de que nós precisamos é de viver de uma forma mais simples. A simplicidade ajuda a restaurar a paz e a ordem.

Por vezes precisamos de tirar da nossa vida as coisas desnecessárias. Poderá ter que ser dizer não a actividades fora de casa. Poderá ter que ser deixarmos alguns dos ministérios em que estamos envolvidas. Poderemos ter que colocar de lado alguns dos nossos hobbies de lado para fazermos algum trabalho em casa. Poderá também ter que ser fazer umas férias de Internet, se virmos que ela nos distrai constantemente dos nossos principais deveres.

Se não temos a certeza de que isto está a acontecer connosco, podemos colocar a nós próprias algumas questões: As nossas casas estão em ordem? Estamos a preparar as refeições a horas para os nossos maridos? A formação e a educação das nossas crianças está a ser negligenciada? As roupas estão em ordem? Todas estas coisas são importantes e é necessário tempo para fazê-las. A Bíblia, no capítulo 2 de Tito, exorta-nos a amar os nossos maridos, a amar os nossos filhos, a sermos sensatas, honestas, boas donas de casa, sujeitas ao marido, para que a Palavra de Deus não seja difamada. Quando estamos a fazer estas coisas, estamos a fazer aquilo que Deus nos mandou fazer. Estas coisas não têm de ser perfeitas, nenhuma casa onde vivem pessoas alguma vez o poderá ser, mas temos de tentar fazer o nosso melhor dentro das circunstâncias que temos.

Mãe, volta o teu coração para o teu lar!!! Se estás sempre a pensar em ir às compras ou em andar por aí a passear, a navegar na net, emocionalmente distraída e ausente com aquilo que não é importante, pede a Deus um coração que deseje estar em casa, estando presente, amando e aprendendo fielmente a faze-lo da melhor maneira possível. É bem sabido que a mulher é o coração de um lar, mas se ela nunca lá está, o lar fica vazio. É a mãe que ajuda o seu marido a cumprir a sua visão e que coloca em acção a cultura, conforto, ordem e ambiente de um lar, algo que é impossível fazer quando se está física ou mentalmente ausente. É difícil edificar um verdadeiro lar quando estamos distraídas com outros compromissos, aparentemente bons, mas que podem não ser para nós. Deveremos investir a nossa energia com a nossa família e não dar-lhes apenas as nossas sobras. Que o Senhor nos possa dar a sabedoria para que saibamos perceber aquilo que deve ser eliminado das nossas vidas, ou das vidas dos nossos filhos, para preservar a pureza do nosso precioso tempo em família e para gerirmos bem as nossas casas
(traduzido e adaptado de um texto de June Fuentes do blogue A Wise Woman Builds Her Home)

Sunday, May 02, 2010

Contagem de bênçãos - Abril

E aqui estou eu novamente a fazer a minha contagem de bênçãos de Abril. Claro que fica sempre muito por referir mas penso que é um bom exercício. Se calhar, se me perguntassem assim de repente como foi o meu mês de Abril, eu diria logo que não foi bom. É verdade que houve coisas muito tristes, preocupações, mas embora eu pudesse falar sobre isso, hoje apenas quero falar das bênçãos. E foram muitas, claro:
  • A começar pela saúde, minha e da minha família.
  • A Páscoa. É sempre um excelente tempo de reflexão, sobre a graça maravilhosa de Cristo nas nossas vidas.
  • A viagem que fizemos entre Cernache do Bonjardim e Lisboa. Resolvemos desta vez não vir pela auto-estrada e foi um passeio tão bonito. Estava um belíssimo dia de Primavera e apreciar a paisagem é maravilhoso.
  • A minha orquídea, prenda do meu marido. Quem me conhece sabe que eu sou um desastre com as plantas. Gosto imenso delas, adorava ter a casa cheia de plantas mas eu mato tudo. Ou é falta de água, ou excesso de água, ou pouca luz, ou sol a mais... Eu sei lá o que é. Só sei que nada resiste nas minhas mãos. E então, na maior parte do tempo, não tenho plantas em casa. E acabei por perder a vontade de alguma vez me dedicar a elas. Mas agora estou tão entusiasmada a cuidar desta orquídea. Não sei quanto tempo vai durar mas pelo menos estou a apreciar cuidar de uma planta e voltei a ter esperança de um dia conseguir ter uma casa cheia de plantas lindas!!!
  • Os amigos. É tão bom ter amigos. Ainda outro dia vi no Facebook o grupo das pessoas que contam os bons amigos pelos dedos de uma mão. Pois a mim não me chegam os dedos das duas mãos. Se os amigos me desiludem? Claro que sim. São gente como eu. Eu também os desiludo. Mas é para isso que existe o perdão. Há vários tipos de amigos, diferentes graus de intimidade, uns que conhecemos há muito tempo, outros há pouco tempo, outros até que não conhecemos pessoalmente, mas todos tão especiais.
  • Encontrar pessoas das quais não temos notícias há tanto tempo e vê-las mais velhas, com filhos... É tão engraçado. E lembrar coisas do nosso passado. Recordar tempos especiais.
  • Os baptismos na nossa igreja. Que bom que foi ver irmãos meus a declararem publicamente o desejo de seguirem Jesus. Houve uma pessoa em especial que me encheu de alegria pois conheço-a melhor e sei a alegria que ela sentiu neste dia. E foi também tempo de recordar o meu baptismo, há 2 anos atrás.
  • Pessoas novas que conheci. Experiências, histórias diferentes. Uma oportunidade também de colocar de lado alguns preconceitos e de amar a todos de igual forma.
  • O módulo Missão Integral, da Escola de Plantadores de Igrejas, com o Pr. João Martins. Ouvir este pastor é sempre um privilégio imenso e aprendi tanto. Como é bom aprender...
  • As noites de ensino com a nossa Sarah Catarino, sobre dons espirituais, especialmente a última, porque infelizmente não consegui assistir à primeira na íntegra. Aprendi muito e fiquei com um desejo enorme de pôr de lado os receios e a vergonha e de me colocar à disposição de Deus para que Ele use os dons que colocar em mim.

Mais coisas há, certamente, mas fico por aqui agora. Entretanto, e como já estou a escrever no mês de Maio, não resisto a adiantar-me e a falar do dia de hoje. Que tempo maravilhoso na presença de Deus e com os meus irmãos! E várias pessoas entregaram a sua vida a Jesus. Que alegria tremenda!